Cérebro Humano: Saiba mais sobre esse poderoso órgão!

O nosso cérebro seria nossa central se funcionássemos como máquinas, sendo que ele é literalmente o “processador” de todo ser humano.

Localizado dentro da caixa craniana, ele é o principal órgão e centro do sistema nervoso para onde vão todas as informações que recebemos.

O cérebro em si é a é responsável pela nossa consciência, pelos nossos pensamentos (lógicos ou irracionais), memórias e também emoções.



Ele que nos faz ser tão perceptivos quanto o mundo à fora, e comanda até nas atividades mais simples como andar e falar.

O cérebro é a parte mais desenvolvida do nosso encéfalo, pesando aproximadamente 1.3 kg\’s. Ele consome mais de 20% do nosso oxigênio, sendo que só representa 2% de nossa massa corporal.

Hemisférios cerebrais

O nosso cérebro é dividido em dois hemisférios, o do lado direito e o do lado esquerdo. Os nossos hemisférios estão conectados um ao outros através de um feixe de fibras nervosas.

Os nossos hemisférios cerebrais controlam partes opostas do corpo, porque os feixes nervosos que conduzem as instruções até aos músculos cruzam-se no percurso.

Cada um dos hemisférios especializou-se em funções diversas. O direito fica mais responsável pela criatividade, e o esquerdo mais pela lógica, mas vale lembrar que existem funções que nós usamos os dois hemisférios.

Cada hemisfério contém cinco lobos.

O lobo frontal é responsável pela atividade motora, articulação da fala, pensamento, planejamento, cognição e memória.

O lobo parietal que traz a interpretação das sensações pela orientação do corpo.

O lobo occipital situado na área da nuca que interpreta a visão.



Nos lobos temporais as emoções e a memória são trabalhadas, fornecendo ao indivíduo a capacidade de identificar e interpretar objetos ao recuperar informações passadas.

Na região da testa está localizado o lobo frontal, na área da nuca está o lobo occipital, na parte superior central da cabeça localiza-se o lobo parietal e o lobo temporal é encontrado na região lateral, sob as orelhas.

Como funcionam nossos neurônios e inteligencia ?

O neurônio é uma célula altamente especializada na transmissão de informações, na forma de impulsos nervosos.

Os seres humanos são superiores intelectualmente em relação animais, porque simplesmente possuem mais neurônios no córtex cerebral do que outros animais.

Possuir mais dessas unidades de processamento no cérebro seria um passo necessário para o desenvolvimento de habilidades complexas, como linguagem e matemática.

Em questão de quantidade de neurônios o número encontrado é de aproximadamente 86 bilhões nos seres humanos.

A teoria das nove inteligências proposta por Gardner

Howard Gardner é um psicólogo cognitivo e educacional, que desenvolveu um método em que propõe a inteligencia é composta por nove partes, e que cada ser humano, tem uma predominante.

Inteligência Lógico/Matemática – É a inteligencia usada para os números. No caso fazer cálculos, de encontrar padrões, ordem ou sequências. É a inteligência característica de cientistas e matemáticos.

Inteligência Linguística – Caracteriza-se por um domínio e gosto especial pelos idiomas e pelas palavras e por um desejo em os explorar. É predominante em poetas, escritores, e linguistas.

Inteligência Musical – Capacidade para discernir sons, de apreciar, compor ou reproduzir música. Sensibilidade para componentes musicais, como o timbre e texturas. Os compositores e músicos possuem elevada inteligência musical.

Inteligência Espacial – Expressa-se pela capacidade de compreender o mundo visual com precisão, permitindo transformar, modificar percepções e recriar experiências visuais até mesmo sem estímulos físicos. É predominante em arquitetos, artistas, escultores, cartógrafos, geógrafos, navegadores e jogadores de xadrez.

Inteligência Cinestésica – Traduz-se na maior capacidade de controlar e orquestrar movimentos do corpo. É predominante entre atores e aqueles que praticam a dança ou os esportes.

Inteligência Interpessoal – É a inteligência social. É a capacidade de reconhecer, gestos, expressões faciais, tom de voz e ainda conseguir responder a esses sinais de maneira que consiga influenciar pessoas a seguir determinada ação.

Inteligência Intrapessoal – É a inteligência interna. Pessoas que desenvolveram a inteligência pessoal tem uma grande capacidade de conhecerem a si mesmas, analisarem seus erros e caminhos. Conseguem inclusive mudar seus próprios comportamentos em beneficio de pessoas que convive.

Inteligência Naturalista – É a capacidade de reconhecer e classificar as espécies e organismos animais ou plantas e interagir com eles. É a inteligência envolvida em causas ecológicas. Inteligência típica dos zoólogos, biólogos, ambientalistas, etc.

Inteligência Existencialista – A mais recente das inteligências propostas, implica consciência de si no universo. Capacidade de ver o todo, mais que a soma das partes, capacidade de sermos nós próprios e estarmos bem connosco próprios e com o mundo. Saber quem é, de onde vem e para onde vai.

Leia uma publicação completa sobre a teoria da múltipla inteligencia (Clique Aqui).

Mitos comuns quanto ao cérebro

Só usamos 10% do nosso cérebro: Veja bem, se só usássemos tão pouco da massa encefálica, dificilmente um ferimento na cabeça conseguiria deixar sequelas. O que acontece é exatamente o contrário.

Danos cerebrais são permanentes: Dependendo da localização do dano, é possível, sim, se recuperar. Mas mesmo com a perda dos neurônios, que não podem se regenerar, as sinapses, que são as conexões nervosas, conseguem surgir novamente.

Nosso cérebro não forma novos neurônios: Estudos recentes descobriram que o hipocampo, região do cérebro associada à memória, aprendizado e emoções, continua produzindo novas células ao longo da nossa vida.

Álcool mata os neurônios: Apesar da bebida afetar diretamente o cérebro, ela não é capaz de matar as células. Mesmo em alcoólatras, não ocorre esse dano.

Conclusão: esta publicação pode até ter contido informações que todos já sabemos, mas como o próprio título sugere, quis fazer algo bem completo especialmente para você meu querido leitor.